Paixão à primeira vista, Natal muito além do mar

Enquanto os largos pneus movidos por motores nervosos fazem a areia voar num rastro brilhante, o vento carregado de maresia acaricia o rosto em que o sorriso oscila entre a euforia e um punhado de medo. O sobe e desce acelerado em meio às curvas sinuosas das dunas levam os mais velhos a regredirem às emocionantes descobertas da remota infância, enquanto as crianças se sentem capturadas por um mundo de aventuras até então restrito aos filmes de heróis adultos. As primeiras horas de um turista em Natal, capital do Rio Grande do Norte, são suficientes para arrebatar corações forasteiros, seduzidos por paisagens exuberantes em que rios, mar, praias e matas compõem o cenário de uma viagem memorável.

O sexto menor estado brasileiro, entre 27 unidades federativas, apresenta atrativos turísticos em ordem inversamente proporcional à área territorial que ocupa. Ao longo de aproximadamente 52.811km², o que equivale a 0,62% da superfície do Brasil, o potiguar — que em tupi-guarani significa “comedor de caranguejo” — tem o privilégio de desfrutar e oferecer aos visitantes cinco circuitos de passeios, cada um com características bastante peculiares: Costa das Dunas, Costa Branca, Agreste Trairi, Serrano e Seridó. “Essa classificação foi estabelecida a partir de estudos feitos por um grupo multidisciplinar, com o objetivo de mapear desde os aspectos históricos e culturais, até as belezas naturais que tanto encantam as pessoas que viajam ao nosso estado. Temos atrativos que vão do litoral às serras mais interioranas”, explica Ana Maria da Costa, secretária de Turismo do Rio Grande do Norte.